A IMPORTÂNCIA DO JEJUM INTERMITENTE

O jejum intermitente é uma ferramenta nutricional que proporciona um aumento na longevidade e uma melhoria na saúde. Nuns dias come-se bem, e noutros jejua-se cortando dramaticamente o consumo calórico.

Um dos males do nosso actual estilo de vida é o facto de que comemos demais e demasiadas vezes. Estimulamos permanentemente o pâncreas a produzir insulina, anulamos a primeira fase de secreção pancreática – característica da diabetes – e o excesso de insulina proporciona a acumulação de gordura e oxidação do “mau” colesterol com a consequente produção de placa arterial. O excesso de alimento, nomeadamente em hidratos de carbono, torna o nosso corpo preguiçoso no que concerne à reparação e rejuvenescimento celulares.

O jejum intermitente permite aumentar a imunidade, livrarmos-nos de glóbulos brancos defeituosos e substitui-los por novos. O jejum força essencialmente que as células-base adormecidas (células estaminais) possam ser activadas para um estado de renovação. Isto permite ganhos de saúde, nomeadamente ao nível cardiovascular, metabolismo e diminuição do risco de cancro.

Durante o jejum baixa o número de glóbulos brancos (as defesas corporais), mas depois há uma inversão com aumento na sua produção e na imunidade. O mesmo se aplica às outras células senescentes. Concluindo, o jejum despoleta os mecanismos da regeneração celular, permitindo:

  • Normalizar a insulina e a leptina, aumentando a eficiência das mitocôndrias (centrais energéticas celulares). Permite baixar a grelina que é a nossa principal hormona da fome.
  • Promoção da produção de hormona do crescimento, a nossa principal hormona do rejuvenescimento. Este aumento pode ser de milhares de vezes!
  • Diminuição dos triglicéridos e melhoria de outros biomarcadores do envelhecimento e doença.
  • Redução do stress oxidativo (menor lesão por radicais livres).
  • A activação de células-base cerebrais. Esta estimulação pode ser de centenas de vezes!

 

Durante o jejum a perda de peso é de cerca de 90% de massa gorda e apenas 10% de massa muscular. Esta pode ser minimizada por ingestão proteica. Uma das maneiras de fazer jejum intermitente consiste em cortar a ingestão calórica dois dias por semana, preferencialmente seguidos. Nestes dias a ingestão calórica deve ser cerca de 500/600 kcal. Outra forma de jejuar consiste em restringir a ingestão alimentar a oito horas por dia, nada comendo nas restantes 16 horas.

Por: Carla Gaspar, Mestre em Tecnologia dos Alimentos e Pós-Graduada em Nutrição Humana, Coach, com especialização na área da psicologia em terapias cognitivo-comportamentais de terceira geração (Mindfulness and Compassion Focused Therapy)

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *